ego maniac kid

POSTED ON: 31 de ago de 2010 @ terça-feira, agosto 31, 2010 | 0 comments

Conforme o tempo passa nos tornamos seres cheios de lembranças e saudades. Algumas lembranças poderiam até morrer para algumas pessoas e outras nós desejamos que estivesse viva, muito mais viva do que nós mesmos. Então o que sobra são as fotografias, cartas ou nem isso. Apenas a memória fraca, os flashes de cada momento, as coisas ditas, as promessas, os amigos e toda a brisa daquele dia, ou estrelas daquela noite. E por mais recente que seja, dói pensar que iremos esquecer que por mais que tenha demorado, parece que passou tão rápido depois que acaba. Não há como voltar, mas podemos apenas ter a quase certeza de que amanhã pode ser um dia melhor do que de todos os momentos que passou, mesmo que pareça que nada no mundo vai ser tão bom quando aqueles momentos que passaram, mas tudo depende de você.

awn..

POSTED ON: 28 de ago de 2010 @ sábado, agosto 28, 2010 | 0 comments

Os homens esqueceram essa verdade, disse a raposa. Mas tu não a deves esquecer...

whatever ma haaa

POSTED ON: 26 de ago de 2010 @ quinta-feira, agosto 26, 2010 | 1 comments

Atenção: Esse texto não tem NADA haver comigo, nada! Mas achei interessante. Aos cuidados, Hayra. - Hamlet em um domingo até que razoável! Chove desde cinco da tarde e eu devia estar satisfeita. Não é o que acontece, pois tem uma festa de crianças no prédio ao lado. Torço por domingos com chuva, mais imaginar um bando de criancinhas socadas num salão fechado, tendo pula-pulas ensopados do lado de fora, tudo por minha culpa, estraga meu momento. Não tanto quanto a trilha sonora da festa, que vem violentando meus ouvidos há horas. Então, acho, que estamos empatados. Eu e as criancinhas. Posso me deliciar com a confortante sensação de que não há nada mesmo para fazer nesse domingo chuvoso, e elas estão perdoadas pelo terrível gosto musical.Quites. Todos com as suas devidas razões para estarem levemente aborrecidos com as coisas. No meu caso especifico aborrecimento não é nem o termo, já que sofro dessa síndrome, rara, de detestar finais de semana. Assim, se começo minha ladainha, dificilmente paro antes de enumerar tudo o que há de insuportável nos dias. Eu receio ser tarde demais para evitar o assunto que já usei adjetivos tão definitivos e rabugentos. Não custa, entretanto, antes, tentar me explicar: não, não sou inspirada pelo mal-estar. Jamais me permitiria ao vão masoquismo de cultivar dores para ser criativa. É claro que eu adoraria estar refestelada em alguma canga, enchendo o quengo de caipirinha, sem me importar se a musica que preenche o espaço entre os corpos besuntados de protetor solar é vulgar ou estimula ritmos que balançam pancas e bundas frouxas, sexualizando o que há de menos sensual no mundo. Seria muito mais fácil lidar com meu natural tédio domingueiro, caso conseguisse me agrupar em churrascos, eu sei. Mais se eu seria dessa forma mais ou menos feliz, não sei. Tornar-me um organismo que se adapta tipo o que comemora gols em bares, faria de mim alguém que prefere domingos ensolarados? Seria eu mais feliz se não fosse a que sou virando adepta do coletivo festivo? Haveria menos infelicidade em mim, se eu não percebesse as injurias cometidas ou as traições dos interesseiros, e tudo o que o tempo trás de doloroso? Será que, para escapar da dor, devo logo abraçar a euforia da simples alegria de viver, e sair cantando refrões tolos pela própria felicidade da tolice? Não, obrigada. Prefiro o tédio total ao conformismo preguiçoso da solução pelo coletivo. Prefiro nunca mais ir a festas do que me embriagar da burrice que alivia. Mil vezes carregar na alma esse vazio, do que molda situações, e pessoas, idiotas, que caibam, por tempo limitado nesse espaço vago. Que todos têm de nascença, ninguém espaça, pois, ora bolas, o que dói mesmo é ser sozinho no mundo, e isso é o que todos somos. Porque amo tanto meu país, e minha língua, é que me assusto com a capacidade de nos desviarmos do que é premente. Minha alegria escancarada nessas bocas sabe? Alguém mais se incomoda com isso, alem de mim? Heim? É muito triste sentir-se de um espírito-de-porco, em meio a um exercito de contentes. Por exemplo, essas pessoas que fazem dos seus ciclos de separações e casamentos noticias que impulsionam trabalho. Não pode. A não ser claro, que o seu trabalho seja se casar e se separar. Uma restrição de ordem da estética, não ética. É simplesmente feio ficar anunciando o encontro de almas gêmeas que dura menos que uma novela. Não é legal com aqueles que ainda acreditam nessas máximas românticas. Com os humanos normais que sofrem os términos das relações e se deparam com a facilidade com que nossas celebridades curam suas feridas. Mais uma vez penso: será que só eu reparo nisso? Gente, eu estou ate hoje tentando me recuperar do fim do meu primeiro namoro. E esse povo bronzeado e feliz já esta, pela centésima vez, anunciando ter encontrado o verdadeiro amor na orla da praia! Serio: o problema é comigo? Só eu que não sei jogar frescobol neste país? Só eu estou atordoada por tentar educar crianças honestas numa cultura que premia o oposto? Enfim, e se me fosse ofertada a chance de não sofrer qualquer dor, aliviando os conflitos que a vida me trouxe, os amores que me largaram e deixaram magoas tatuadas n’ alma e conseqüente solução para o tal buraco que n’alma é feito? Antes de aceitar, hesitaria, como um Hamlet desajeitado? Caso seja através da lamina fria de um punhal o.k, mais se for para ficar anestesiada em meio ao coro dos contentes histéricos, jamais. É preciso dor para ser feliz sem ser idiota. - Fernanda Young

POSTED ON: 25 de ago de 2010 @ quarta-feira, agosto 25, 2010 | 0 comments

now... it's me! http://weheartit.com/hayrass

POSTED ON: @ quarta-feira, agosto 25, 2010 | 0 comments

"Existem duas maneiras de nos refugiarmos das misérias da vida: música e gatos." (Albert Schweizer) preguiça de atualizar com coisas minhas. xoxo HSS.

lines beginning

POSTED ON: 18 de ago de 2010 @ quarta-feira, agosto 18, 2010 | 1 comments

O começo é sempre lastimável para mim, começo de tudo. Começo de post, começo de ano letivo, começo de um romance, começo de alguma atividade extra curricular. E agora, para mim, é um começo de um curso de inglês. Alias, um recomeça porque em uma época eu andei fazendo, mas resultou em um curto período de tempo. Whatever! E como eu, tenho certa preguiça interna e mental para coisas novas. Seria muita maldade matar o primeiro dia de um curso de inglês? Seria né! Já sabia a resposta. Tenho que parar com isso e criar mais juízo e menos preguiça... Não vai poder ser assim a vida toda. Imagina só, primeiro dia de trabalho, começo de casamento... como vou criar meus filhos no começo? Não crio, espero ficar com 5 anos! Hehe O.k, vou parando por aqui porque já estou falando demais. Estou indo para o tal famigerado curso... Depois atualizo com boas novas. xoxox, HSS.

“all good things are wild, and free”

POSTED ON: 17 de ago de 2010 @ terça-feira, agosto 17, 2010 | 0 comments

Isso é algo que minha mãe costumava me dizer sempre quando eu estava crescendo. Assim que bati o olho nessa foto, me rendi a essa tatuagem, foi como um dejavú sei lá, algo estranho! E é uma espécie de lembrete para mim mesmo que eu não preciso de ninguém além de mim, que eu posso ser quem eu quero ser, que eu sou selvagem e livre... xoxo, HSS.

POSTED ON: @ terça-feira, agosto 17, 2010 | 0 comments


omgomgomgomgomgwhat?

POSTED ON: @ terça-feira, agosto 17, 2010 | 0 comments


POSTED ON: @ terça-feira, agosto 17, 2010 | 0 comments


stay my bby

POSTED ON: 16 de ago de 2010 @ segunda-feira, agosto 16, 2010 | 0 comments

"Como eu te amo? Eu te amo até a profundidade, largura e altura que minha alma pode alcançar, Quando sentindo longe dos olhos pelo objetivo de existir e de graça divina. Eu te amo ao nível da necessidade mais silenciosa de cada dia, Ao sol e a luz da vela. Eu te amo livremente como os homens lutam pelo direito. Eu te amo puramente como eles se afastam do elogio. Eu te amo como a paixão existente em minhas velhas mágoas E com a fé da minha infância. Eu te amo com amor que eu parecia ter perdido com meus entes perdidos. Eu te amo com a respiração, sorrisos, lágrimas de toda minha vida. E se Deus quiser, eu te amarei melhor após a morte.'' Declaração de amor de Charlie Brown - Snoopy

new paths

POSTED ON: @ segunda-feira, agosto 16, 2010 | 0 comments

"Por aqui, contudo, não olhamos para trás por muito tempo. Seguimos em frente, abrindo novas portas e fazer coisas novas ... é a curiosidade que continua nos conduzindo para baixo de novo caminhos. " Walt Disney

precious

POSTED ON: 13 de ago de 2010 @ sexta-feira, agosto 13, 2010 | 0 comments

"As coisas mais simples da vida são as mais extraordinárias, e só os sábios conseguem vê-las." - Paulo Coelho

why?

POSTED ON: 11 de ago de 2010 @ quarta-feira, agosto 11, 2010 | 1 comments

Começar um post nunca é fácil. Perco horas na frente do computador começando e apagando palavras só pra começar. Às vezes as idéias estão prontas na minha cabeça, mas o maldito começo me foge toda vez que abro uma pagina. Queria escrever sobre educação e gentileza e lembrei de uma coluna da Martha Medeiros que eu tinha numa agenda perdida, que continha esses assuntos. Pessoas cada vez visam ser gentil com algum propósito, alguma segunda intenção. A coluna da Martha mesmo tem um pedaço a destacar. ''Recebi um livro chamado 'A arte de ser gentil', que tem o dispensável subtítulo 'A bondade como chave para o sucesso', o que, a meu ver, descredibiliza um pouco o autor, o sueco Stefan Einhorn, porque ser gentil deveria ser uma atitude para facilitar as relações humanas, e não uma meta para o sucesso. Que sucesso? Agora tudo o que faz tem que visar o sucesso...'' Nem sabia que sendo gentil eu poderia ficar rica e bem-sucedida e essa glória toda. Sou gentil simplesmente porque acho mais fácil do eu ser grosseira. Dispende menos energia né? E também porque não vejo graça nenhuma em magoar as pessoas. Mas parece que hoje em dia, pelo o que eu vejo, é meio que uma superioridade você ser rude ou tratar as pessoas com desdém. Significa que você é um tanto ''superior''. Mas claro que temos que ser gentis, mas não demais. Obvio. Porque essa gentileza toda é uma via de mão dupla. Se você está sendo gentil demais, sempre terá aquele que suspeitará. ''Ih, já está querendo dinheiro ou alguma coisa em troca, hunf.'' Ah, qual foi? Cadê a GENTILEZA GERA GENTILEZA? Voltando a dizer, mas ser exageradamente gentil com todo mundo pode colocar a nossa vida em risco. Por exemplo: o que você faz se, ao chamar o elevador de um prédio estranho, à noite, a porta se abrir e lá dentro estiver um sujeito mal-encarado, com uma cicatriz perturbadora no rosto e vestindo um, sobretudo enorme que poderia muito bem esconder duas pistolas, cinco granadas, duas facas de cozinha e dois rifles? Oh! Você simplesmente teria uma vontade enorme de descer pela escada e sumir de vista. Pois eu entraria no elevador normalmente, daria boa noite e ainda seria capaz de comentar sobre o tempo, pois Deus que me livre de ele achar que eu sou preconceituosa e sua aparecia me fez pensar que ele pudesse ser um seqüestrador de crianças, maníaco de elevador, estrupador sei lá. Por que ele não pode ser um pai de família como outro qualquer? E eu sendo má educada em não segurar o elevador... Sabe se lá o dia horroroso que ele está tendo! Saindo do cotidiano. Seja gentil, mas não gentil demais!! Com as pessoas que nos cercam, eu me sinto no direito de ser educada e amável. Novamente, porque é mais fácil do que ser grosseira. Escutar ingentilezas (existe essa palavra? rs) em telefonemas, segurar a porta do elevador e não receber nem uma piscadela de obrigada, ficar no vácuo nos ''bom dia'' e nos ''obrigada'' das operadoras de caixas de supermercado. Pela enésima vez, pra mim não dá! Anyway, a gente não faz com os outros o que não gostariam que fizesse com a gente. Mas mesmo assim, fazem com a gente... xxxoxoxo, HSS.

take care of yourself

POSTED ON: @ quarta-feira, agosto 11, 2010 | 0 comments

Um dos destaques da Flip (Festa Literária Internacional de Paraty) foi a francesa Sophie Calle, que anda em evidencia por ter tornado publica a carta que recebeu anos atrás do namorado, o escritor Gregoire Bouillier, em que terminava o namoro e se despedia com a expressão ‘te cuida. Sophie Calle faturou em cima desse fora, transformando-o numa exposição e num assunto literário. É curioso que uma expressão tão corriqueira dê tanto pano pra manga. Mas o fato é que dá. Quando adolescentes, saímos de casa pra ir a uma festa ou pegar a estrada e, antes que a porta de atrás de nos se feche, ouvimos a voz deles, pai e mãe: ''Te cuida.''. A recomendação sai no automático: ''Tchau, te cuida.'' Um lembrete amoroso: ''Te cuida, meu filho''. Apesar de tanta a violência urbana, não damos a mínima para esse ''te cuida'' que escutamos desde a primeira excursão do colégio, desde o primeiro banho de piscina na casa de amigos, desde a primeira vez que saímos a pé sozinhos. Pai e mãe são os reis do ''te cuida'', e a gente mal registra, tão acostumada está com esse casal que não faz outra coisa a não ser querer nosso bem e nos amar pra todo o sempre, amém. No entanto, lembro da primeira vez em que estava apaixonada, me despedindo dentro do carro, aos beijos com aquele que deverias ser um moleque, mas pra mim parecia um homem feito. Depois do ultimo beijo, abri a porta do carro e, antes de sair, ouvi a voz dele, grave e sedutora, me dizendo: ''Te cuida''. Me cuidarei, pode deixar. Me cuidarei para estar inteira amanhã de novo, para te ver de novo, te beijar de novo. Me cuidarei para me tocares com suavidade, para nunca encontrares um arranhão sobre a minha pele. E cuidarei do meu humor, dos meus cabelos, cuidarei para não perder a hora, cuidarei para não me apaixonar por outro, cuidarei para não te esquecer, vou me cuidar. Me cuidarei ao atravessar a rua, me cuidarei para não pegar um resfriado, me cuidarei para não ficar doente. Me cuidarei, meu amor, enquanto estiver longe dos teus olhos, nos momentos em que você não poderá cuidar de mim. Fica a meu encargo voltar pra você do mesmo jeito que você me deixou, ilesa. É de minha responsabilidade não ficar triste, não deixar ninguém me magoar, não deixar que nada de ruim me aconteça porque você me adora e não agüentaria. Claro que me cuido, nem precisava pedir. ''Te cuida'', dissera ele. E eu ouvi como se fosse um ''te amo''. Meses depois, terminamos o namoro sem beijo de despedida. Saí do carro prendendo o choro, ainda que o rompimento tivesse sido resolvido de comum acordo. Já estava com meio corpo pra fora do carro, quase fechando a porta, quando ouvi, sem nenhuma aflição por mim, sem nenhuma emoção na voz, um gélido ''te cuida''. Me cuidei. Só chorei quando já estava no elevador. Martha Medeiros

gossip girl here

POSTED ON: 5 de ago de 2010 @ quinta-feira, agosto 05, 2010 | 0 comments

''Aos poucos a gente vai mudando o foco. E o lugar nem te acrescenta mais, você começa a precisar de outros lugares. E de outras pessoas. E de bebidas mais fortes. Nem pensa. Vai indo junto com as coisas.'' - Caio Fernando Abreu Estava pensando sobre a minha ida para Juiz Fora hoje e a necessidade que eu sinto de sair do Rio de Janeiro, assim que bati o olho nessa frase do C. Abreu entendi a frase na qual minha mãe vive repetindo - ' se você quer subir na vida, ande com pessoas mais inteligentes que você! ' não tem muito haver com a frase do Caio, mas me veio a cabeça. E eu realmente sinto, que não a nada para mim aqui no Rio. Não sei se sou eu que não estou focando nas coisas certas ou se coloco o coração em coisas que eu devia utilizar a mente. Não sei sabe... E esses dias chuvosos me deixam mas receptiva a tristezas - acho que acontece com todo mundo. Enfim, esse foi a pior postagem que eu já fiz. Whatever, ninguém lê mesmo. Preciso ver Gossip Girls :~( Hoje eu tô desejando que todo mundo se foda, só isso... ''De que adianta, ter o garoto perfeito, se quem te faz feliz é simplesmente aquele que não presta?''- Blair Waldorf H. xoxo

pursuit of happiness

POSTED ON: @ quinta-feira, agosto 05, 2010 | 0 comments

"Eu gosto de viver. Já me senti ferozmente, desesperadamente, agudamente infeliz, dilacerada pelo sofrimento, mas através de tudo ainda sei, com absoluta certeza, que estar viva é sensacional." - Agatha Christie

long time ago!

POSTED ON: 2 de ago de 2010 @ segunda-feira, agosto 02, 2010 | 0 comments

Terça- feira, 29 de setembro de 2009. São Gonçalo – Rj Hayra S. de Souza diz: É engraçado, no final da rua da minha avó, tem a praia de Icaraí... Que é poluída né? Mas mesmo assim e mor bonito de olhar, tem os pombos, uns cachorros e tem peixe que pula e de vez tem umas tartarugas. Mas o doido é a cidade, o movimento. Até de madrugada tem gente passeando com cachorro e correndo no calçadão. E depois tu chega ao mar e ele está colorido igual ao céu! Várias vezes meus olhos ficaram tipo ‘’lacrimenjandinho’’ sabe? Acho que a gente morar na cidade com toda essa globalização de internet e tudo mais. Afasta tanto a gente da natureza que apenas um sol maravilhoso faz a gente parar para olhar... Acho loucura quem passa reto quando o céu está com aquelas cores absurdas da manhã. É a única hora que eu paro para pensar na vida e esqueço de tudo que tem em volta de mim... Da uma paz enorme!

byyyye vacations!

POSTED ON: @ segunda-feira, agosto 02, 2010 | 1 comments

Tenho que escrever mais e colar menos coisas aqui. Sério, essas foram às primeiras férias de meado de ano que eu ''aproveitei''. Estava precisando de um grupo de pessoa que não me conhecessem bem o suficiente para poder extravasar! Não extravasei o quanto queria mas agora deixa para lá.. já acabaram as férias e tudo volta a ser como antes. Home sweet home... Não sei se vou continuar freqüentando aquele grupo de pessoas, talvez não. E se voltar só será por causa da Anna – louca rs! Que alias está me devendo QUATRO idas ao Capone´s HEHEHE Eu tenho quase certeza que não sou muito normal.. Sei lá sabe, eu mesmo me incomodo com o meu jeito. Estou sempre agindo sempre com o coração e não com a razão, impulsividade e insegurança estão no meu feeling, unfortunately yes! E certamente quando estamos pensando mais na vida, aparecem coisas que nos fazem não querer pensar. Como a minha sorte de hoje do orkut, puta falta de sacanagem... ''Sorte de hoje: O mundo é uma tragédia para os que sentem e uma comédia para os que pensam...'' Ah mas chega de falar sobre isso né? Pensar na vida me faz ficar deprimida. E eu agora to ligando o foda-se da vida. Whatever... Além deu não ter parado em casa nas férias, minha internet está muito ruim... muito ruim, muito! Tenho que responder o email da Sis, devo estar um mês atrasada. Mas a internet se quer abre o Yahoo. Só agora percebi o quanto eu escrevo coisas pessoais aqui, mas também, as paredes do meu quarto são finas demais para eu ficar falando sozinha. Hoje eu peguei uma agenda que eu tenho, onde eu anoto todos os meus dias e tudo o que eu penso.. porque eu tenho uma prima que eu amo muito, porem nos só se vemos nas férias de final do ano onde ela vem para cá para o Rio e fica até fevereiro. Pois então, nos compramos duas agendas uma fica comigo e uma foi com ela para Mg, eu anoto o meu ano e ela o dela. Quando ela vier para cá, iremos trocar de agenda e ler todo o anuário, hehehehe. Alias saudades Natalia, te ver só no verão não dá não.. :'( Em falar em verão... Ah o verão, a época que eu sou mais feliz.. Tudo fica mais leve, mais harmonioso, mais colorido e caloroso. Fico rodeada por todas as pessoas que eu mais amo, - meus avos e meus primos de longe. Gostava das nossas mesmas rotinas, ir para praia todos os dias a noite apenas para jogar conversa fora, as filas de banho até a pegar pratos na secadora, das armações de passar a noite toda sem dormir com medo de ser pintada até o medo de beber água em um copo com pimenta, rs. É casa da minha vó em Icaraí tem tantas lembranças. Amo vocês, amo muito vocês. ''She’s just waiting for the summertime.. When the weather’s fine. And she could hitch a ride out of town, and so far way. From that low down, good for nothing!(…)'' ♪ xoxo, HayraS.

← OlderNewer → / Newer →
ニャー