hai

POSTED ON: 14 de abr de 2014 @ segunda-feira, abril 14, 2014 | 0 comments






nho~

POSTED ON: 14 de fev de 2014 @ sexta-feira, fevereiro 14, 2014 | 0 comments



Great Swedish Fairy Tales

POSTED ON: 12 de fev de 2014 @ quarta-feira, fevereiro 12, 2014 | 0 comments

Eu tinha colado esse texto aqui em 07 de janeiro, mas apaguei porque não sabia se podia pegar do facebook de onde peguei. Resolvi colar de novo, mas dando crédito a Priss do blog http://www.lilyfaerie.com/ pela tradução.
O conto é do livro "Great Swedish Fairy Tales".

Prinsessan Tuvstarr

""Você já esteve em uma grande floresta e viu um estranho lago negro escondido entre as árvores altas? Parece enfeitiçado e um pouco assustador. E ainda - abetos e pinheiros aconchegam-se por todos os lados silenciosamente. Às vezes, as árvores dobram-se cautelosas e timidamente sobre a água como se estivessem se perguntando o que poderia estar escondido nas profundezas sombrias.

Há outra floresta que cresce na água, e que, também, está cheia de admiração e quietude. O mais estranho de tudo é que as duas florestas nunca foram capazes de falar uma com a outra ..."

O conto é sobre a pequena princesa Cottongrass [Prinsessan Tuvstarr], uma pequena e vulnerável ninfa que se parece com uma menininha de cabelo ondulado, longo e loiro que calmamente flui do Castelo dos Sonhos onde mora e conhece Long Leg Leap, o alce, um animal forte, leal e protetor, que carrega a pequena no mundo em suas costas poderosas após a princesa implorar para levá-la com ele:


" 'Como você é grande e imponente. Você tem uma coroa, também. Deixe-me ir com você. Deixe-me sentar atrás de seu pescoço, e depois leve-me para a vida.' O alce hesitou. 'O mundo é grande e frio, criança, e você é tão pequena. O mundo está cheio de maldade e perversidade, e ele vai te machucar.' 'Não, não. Eu sou jovem e cálida. Eu tenho calor suficiente para todos. Eu sou pequena e boa, e quero compartilhar o bem que possuo.' 'Princesa, a floresta é escura e as estradas são perigosas.' 'Mas você está comigo. Você é grandioso e forte, e pode facilmente defender a nós dois.' "

Assim, o alce sábio e forte carregou a princesa vulnerável e inocente em suas costas pelo mundo. No início, tudo está bem e a princesa está encantada com o que vê em sua jornada. Mas a princesa é vulnerável e os perigos da floresta escura se escondem em todos os lugares e, pouco a pouco, roubam a inocência da princesa. Em algum ponto do caminho, ela se encontra nua, despojada de seu fino vestido branco. O alce cuida de seu vulnerável corpo nu enquanto ela dorme sob as estrelas à noite. Ele torna-se ansioso, preocupado que a sua força e sabedoria não sejam suficientes para proteger a pequena princesa.

"Ele parece querer seguir em frente, e se abaixa para deixar a princesa subir em suas costas. Então eles se foram numa corrida, galopando para o leste. Ele quase não ouve quando ela o chama, e raramente responde. Como se estivesse com febre, ele rompe a floresta emaranhada em um ritmo furioso. "Para onde estamos indo?" pergunta a Princesa Cottongrass. 'Para a lagoa', é a resposta. 'Nas profundezas da floresta há uma lagoa, e é aí que vou quando o outono está chegando. Nunca uma pessoa foi lá, mas você deve vê-la ' "

O alce avisa para ter cuidado com o perigo na água, para cuidar de sua corrente de ouro com formato de coração que ficava em volta de seu pescoço. Mas, a princesa, hipnotizada pelas curvas brilhantes na água escura, inclina-se para a frente para um olhar mais atento e ouve deslizamentos de ouro sobre a cabeça e cai na lagoa*.

'Oh, meu coração, o coração de ouro que minha mãe me deu no dia em que nasci. Oh, o que eu devo fazer? ' Ela está inconsolável e divaga sobre as touceiras a olhar para o seu coração. O alce avisa a ela 'É perigoso para você aqui. À procura de uma coisa, você vai esquecer todo o resto.' Mas, a princesa quer ficar para encontrar seu coração. Ela gentilmente acaricia o alce e beija a cabeça inclinada. Então, pequenina, fina e sem roupa, ela vai e senta-se em uma colina gramada. Por muito tempo o alce fica quieto e olha para a menina. Mas, quando ela já não parece perceber que ele está lá, ele se vira e desaparece com passos hesitantes para a floresta.


Muitos anos se passaram. Princesa Cottongrass ainda se senta e olha com admiração para o seu coração na água. Ela não é mais uma garotinha. Em vez disso, uma planta esguia, coroada de algodão branco, está inclinando-se sobre a borda da lagoa. De vez em quando o alce retorna, pára e olha para ela com ternura. Só ele sabe que esta é a princesa do Castelo dos Sonhos. Porventura ela balança a cabeça e sorri, pois ele é um velho amigo, mas ela não quer segui-lo de volta; ela não pode seguir mais, enquanto está sob o feitiço. O encanto reside na lagoa. Muito, muito sob a água há um coração perdido."



endless seasons of sadness

POSTED ON: @ quarta-feira, fevereiro 12, 2014 | 0 comments

Encontrei esse texto hoje e foi tão confortante ter lido ele, foi como uma esperança que as coisas ruins não são atoa, foi como se eu enxergasse meus problemas de um jeito diferente, como se tivesse um lado bom neles. :')

Ostra feliz não faz pérola.
”(…) Pois havia num fundo de mar uma colônia de ostras, muitas ostras. Eram ostras felizes. Sabia-se que eram ostras felizes porque de dentro de suas conchas saía uma delicada melodia, música aquática, como se fosse um canto gregoriano, todas cantando a mesma música. Com uma exceção: de uma ostra solitária que fazia um solo solitário. Diferente da alegre música aquática, ela cantava um canto muito triste. As ostras felizes se riam dela e diziam: “Ela não sai da sua depressão…”. Não era depressão. Era dor. Pois um grão de areia havia entrado dentro de sua carne e doía, doía, doía. E ela não tinha jeito de se livrar dele, do grão de areia. Mas era possível livrar-se da dor. O seu corpo sabia que, para se livrar da dor que o grão de areia lhe provocava, em virtude de suas asperezas, arestas e pontas, bastava para envolvê-lo com uma substância lisa, brilhante e redonda. Assim, enquanto cantava seu canto triste, o seu corpo fazia o trabalho – por causa da dor que o grão de areia lhe causava. Um dia, passou por ali um pescador com o seu barco. Lançou a rede e toda a colônia de ostras, inclusive a sofredora, foi pescada. O pescador se alegrou, levou-as para casa e sua mulher fez uma deliciosa sopa de ostras. Deliciando-se com as ostras, de repente seus dentes bateram num objeto duro que estava dentro de uma ostra. Ele o tomou nos dedos e sorriu de felicidade: era uma pérola, uma linda pérola. Apenas a ostra sofredora fizera uma pérola. Ele tomou-a e deu-a de presente para a sua esposa. Isso é verdade para as ostras. E é verdade para os seres humanos. No seu ensaio sobre O nascimento da tragédia grega a partir do espírito da música, Nietzche observou que os gregos, por oposição aos cristãos, levavam a tragédia a sério. Tragédia era tragédia. Não existia para eles, como existia para os cristãos, um céu onde a tragédia seria transformada em comédia. Ele se perguntou então das razões por que os gregos, sendo dominados por esse sentimento trágico da vida, não sucumbiram ao pessimismo. A resposta que encontrou foi a mesma da ostra que faz uma pérola: eles não se entregaram ao pessimismo porque foram capazes de transformar a tragédia em beleza. A beleza não elimina a tragédia, mas a torna suportável. A felicidade é um dom que deve ser simplesmente gozado. Ela se basta. Mas ela não cria. Não produz pérolas. São os que sofrem que produzem a beleza, para parar de sofrer.” - Rubens Alves.


(。・ω・。)ノ♡

POSTED ON: 11 de fev de 2014 @ terça-feira, fevereiro 11, 2014 | 0 comments


fairy tales and delicacies

POSTED ON: 10 de fev de 2014 @ segunda-feira, fevereiro 10, 2014 | 0 comments



day photos weeee

POSTED ON: 4 de fev de 2014 @ terça-feira, fevereiro 04, 2014 | 0 comments

Olá 
Resolvi tirar uma fotos hoje, porque tinha um tempão que não tirava devido ao calor enoorme enoorme que não dá motivação para nada... Mas hoje, fiquei em casa sozinha e resolvi tirar umas, não ficaram muito boas, mas servem para atualizar ihih

imageimageimage






imageimageimage

Uma musiquinha fofa para ouvir :3


imageimageimage





lo-lee-ta

POSTED ON: 30 de jan de 2014 @ quinta-feira, janeiro 30, 2014 | 0 comments



"Lolita, luz da minha vida, fogo da minha virilidade. Meu pecado, minha alma. Lo-li-ta: A ponta da língua faz uma viagem de três passos pelo céu-da-boca abaixo e, no terceiro, bate nos dentes. Lo. Li. Ta. Pela manhã, um metro e trinta e dois a espichar dos soquetes; era Lo, apenas Lo. De calças práticas, era Lola. Na escola, era Dolly. Era Dolores na linha pontilhada onde assinava o nome.
Mas nos meus braços era sempre Lolita."

i wanna be free about everything

POSTED ON: 29 de jan de 2014 @ quarta-feira, janeiro 29, 2014 | 0 comments

Novamente, estou aqui... Me sentindo péssima por ser quem eu sou... Sem ter meus parentes ao meu lado, porque metade não sabem do meu problema e a parte que sabe, nunca tentou entender o que acontece comigo, porque é muito mais fácil me julgar, dizer que sou preguiçosa e não quero nada com a vida. 
Nós nunca tivemos boa situação financeira, o porque logo eu, que sempre fiz de tudo para ajudar... Iria querer ser um peso para todo mundo? Eu que sempre tive uma personalidade "forte", fosse querer me afundar na tristeza de proposito? Queria que todo mundo que sabe, soubesse só por um dia como é ter a liberdade privada, ter o medo e não conseguir fazer o que todo mundo da minha idade faz. Eu juro, juro que tento não ficar mal com a pressão que existe da sociedade de que todo mundo deve seguir o mesmo caminho e fazer o que todo do mesmo jeito... Tento não ficar triste pelas pessoas que eu mais amo não conseguirem me compreender! Elas simplesmente acham que isso é falta de tentativa, que eu me enfiei dentro de casa e isso me confortou e agora eu não quero fazer mais nada... Eu não sei como eu adquiri isso, mas sei que não é de agora... Desdo tempo do meu ensino médio, na tentativa de mudar da escola que eu estudei a vida toda, eu voltava para ela, como um porto seguro, como se eu estivesse de volta a aonde tudo fica bem. Eu nunca encarei isso como um problema, mas agora a pressão exigida desse mundo a qual eu sinto que não pertenço é muito grande. E a cada vez mais, eu me sinto sozinha e perdida. 
Ultimamente, por acaso eu encontrei uma menina que me parece se sentir do mesmo jeito, e ela por por sua vez, conhece pessoa que se sente do mesmo jeito também... Eu só sei que agora valorizo cada vez mais o meu eu, me amo e me conheço cada vez mais, tento fazer as coisas no meu limite... Mas não é fácil ter uma batalha diária na mente... Eu sempre comecei a fazer algo e nunca terminei, por motivos de: não me sentir bem perto das pessoas e não me senti bem em locais estranhos. 
Eu não sei me expressar bem quanto a isso, eu só apenas sinto, na verdade, eu apenas me sinto mal grande parte do tempo... Apenas me sinto desconfortavelmente péssima tendo que encarar essas coisas. 


Eu li um comentário de uma pessoa que se sente como eu, como eu exatamente como eu vejo as coisas: "A verdade é que vejo todo mundo com pressa para tudo, e no fundo estão quase todos mergulhando num vazio, sem ao menos questionar se fazem o que querem e gostam. Sinto desespero pelas outras pessoas, sabe? Por outro lado, elas também devem sentir desespero por mim… 

new dress weeee ✩✩✩~~

POSTED ON: 26 de jan de 2014 @ domingo, janeiro 26, 2014 | 0 comments

Sexta-feira a tarde, depois de ir tantas vezes ver o correio... Fui olhar mais um vez, porém desesperançosa e eis que no chão estava mais uma encomenda AAAAAA image image image image image -todas essas emoções em forma de gifs fofos.

Meu ultimo vestido lindo tinha chegado!!






Ele é perfeito para mim! Deu certinho, ficou super confortável, o tecido é muito bom e a medida do comprimento ficou do jeito que eu gosto 
E de novo, ele foi TÃÃÃO barato, vale a pena cada dia do mês que eu tenho que esperar. O link dele é esse. E ele foi 15 reais, QUINZE REAIS. Ok, all right! 

Agora só falta o meu conjunto sailor, meu óculos e minha meia calça de coração, awwwwn :3


← OlderNewer →
ニャー